O que é um aparelho auditivo?
Também chamado de prótese auditiva ou aparelho de amplificação sonora, é um dispositivo eletrônico, digital, capaz de amplificar os sons de acordo com a perda auditiva do paciente, o que possibilita melhor compreensão dos sons.

O aparelho auditivo tem como finalidade amplificar os sons, da melhor forma possível, tornando-os audíveis. Essa amplificação inclui sons da fala, sons do ambiente, sinais de alerta além de sons agradáveis como o canto dos pássaros.

Muitos pacientes receiam usar aparelho auditivo porque tem a impressão de que os aparelhos são grandes, barulhentos, como antigamente. Hoje, com a tecnologia digital, os aparelhos auditivos permitem uma programação personalizada para cada paciente garantindo melhor audição. E o tamanho também reduziu muito trazendo maior conforto no uso.

Podemos encontrar diversos modelos no mercado:

Retroauricular: esse modelo encaixa atrás da orelha. Hoje temos mais de um tamanho e características deste modelo.

Convencional: atualmente indicado para crianças e usuários com perda auditiva de grau severo a profundo.

Com receptor no canal: Esses modelos se adaptam a todos os tipos e configurações de perda auditiva. Tem maior flexibilidade em relação ao ganho, permite recursos de conectividade e outros recursos possíveis apenas nos modelos retorauriculares.



Intracanal – Esse modelo fica todo dentro do conduto auditivo. Bastante procurado por conta da estética, tem vantagens e desvantagens.

Por ser muito pequeno a maioria disponível no mercado não tem recursos avançados como os retroauriculares. O manuseio também é um pouco mais difícil.  



Podemos escolher entre microcanal ou intracanal de acordo com o diâmetro do conduto do usuário. Isso porque o conduto tem que ser fisicamente compatível com o modelo escolhido.

Atenção! A principal limitação para a indicação deste modelo é o grau e configuração da perda auditiva. Para isso é importante conversar com o seu fonoaudiólogo para saber se esse modelo é indicado para o seu caso.

Adquirir um aparelho auditivo leva tempo, paciência e dedicação.

O processo de reabilitação tem início com uma avaliação audiológica e uma consulta com um médico para o diagnóstico da perda auditiva.

Uma vez que o médico prescreveu o uso de aparelhos auditivos, o fonoaudiólogo dá início ao processo de testes e adaptação dos aparelhos auditivos mais adequados para aquele indivíduo.

A decisão de uso não é feita apenas baseada no grau da perda do paciente, mas sim de acordo com o sofrimento experimentado, necessidades auditivas e limitações encontradas no dia a dia.

É necessário saber o que o paciente precisa. Em quais momentos a dificuldade para escutar é percebida, quais os hábitos auditivos o que o fez procurar a reabilitação, como é a sua habilidade de manuseio, se os recursos disponíveis como controle remoto ou conectividade serão úteis.

Conhecer o paciente é fundamental para o profissional indicar o dispositivo mais adequado.

A indicação do uso é feita por um médico otorrino. A escolha do dispositivo é feita pelo fonoaudiólogo juntamente com o futuro usuário. Incluir o usuário nesta escolha é fundamental para garantir o sucesso da adaptação.

Neste processo é avaliado o modelo, tecnologia, custo e necessidades de acessórios. O fonoaudiólogo ainda orienta sobre a necessidade do uso nas duas orelhas, ou não, de acordo com a perda e logo depois se inicia a fase de adaptação com experiência domiciliar e testes objetivos no consultório e avaliações com uso de questionários de auto avaliação.

Por Andrea Soares – Fonoaudióloga CRFa – 2 -11424